18.7.13

"Salvo das águas" - eu também!



Teu corpo seja brasa

teu corpo seja brasa
e o meu a casa
que se consome no fogo

um incêndio basta
pra consumar esse jogo
uma fogueira chega
pra eu brincar de novo

                                                                                         ( Alice Ruiz )

13.1.12

Ar












Do sereno azul
do silêncio

do imenso branco
do inverno

da melancolia infinita
da saudade

da silenciosa noite
da ternura inevitável

nasces tu

meu impossível
meu desatino
minha presença
minha pertença

és o poema que ficou
a sombra
que ainda não é

vai!

11.11.08

Nina

(Em ti, minha irmã, vejo fazer-se a luz dos meus olhos
INVENCÍVEL!)

Ténue chama que se opõe
ao vento da insensibilidade.

Cúmplice,
cria raízes, mas sai de mim,
sai de ti,
eterna filha de uma ideia!

Íntima,
acaricia um sonho
que se enredou nos cabelos
como pente.

Inocente,
adormece no meu ombro
serena luz dos que não aceitam morrer.

Teu secreto nome,
teu mágico nome,
Déia Tuam é…

LIBERDADE!